Artigos

Retomada pós-pandemia: empregador x empregado – o que muda?

O ano de 2020 foi atípico em função da pandemia mundial do Coronavírus COVID 19. Muitas empresas precisaram fechar as portas, o trabalho presencial abriu espaço para o home office, muito utilizado em países europeus. No entanto, algumas empresas já retomaram suas atividades, porém muitas dúvidas surgiram e surgem ao longo do tempo em função do “novo normal”. Pensando nisso, convidei a Dra. Helena Espindola Argenti, advogada e sócia do escritório Argenti Tavares Advocacia, pós-graduada em Direito Material e Processual do Trabalho pela FEMARGS e Mestranda em Direito Internacional Público pela Universidade de Oslo, na Noruega.

Compilamos algumas perguntas e respostas para sanar dúvidas a respeito da retomada pós-pandemia: empregador x empregado – o que muda?

Retomada pós-pandemia: empregador x empregado – o que muda?

Você também pode conferir esse conteúdo em formato de Podcast.

Retomada pós-pandemia: empregador x empregado – o que muda?

Maiara – Como o empregador deve proceder na retomada? Como deve ser realizada a comunicação para o empregado?

Helena – O empregador pode requerer a qualquer momento que o empregado retorne ao seu posto de trabalho. Para isso, o empregador deve notificar formalmente o empregado (pode ser de forma eletrônica como, por exemplo, e-mail) para que retome ao seu posto de trabalho no prazo de dois dias a partir da comunicação.

Todas as obrigações contratuais estabelecidas antes da pandemia retomam o seu curso, normalmente. Assim, por exemplo, se empregador não pagou o vale-transporte porque o empregado estava em home office, deve o empregador voltar a pagar tal parcela quando do retorno do funcionário ao trabalho na sede da empresa.

Maiara – Sabemos que têm empresas que já retomaram as suas atividades. Quais cuidados e medidas de segurança elas precisam tomar para manter o grupo de colaboradores e clientes seguros?

Helena – A empresa tem a obrigação de assegurar um meio ambiente de trabalho seguro. Não há lei federal estabelecendo quais providências o empregador tem que tomar para assegurar um meio ambiente saudável, mas o empregador deve verificar se há algum decreto municipal ou estadual ditando algo sobre o assunto.

Entretanto, ainda que não haja nenhuma determinação legal, sempre aconselho meus clientes a tomarem as seguintes medidas:

–  Uso obrigatório de máscaras no ambiente de trabalho;

– Disponibilização de álcool em gel 70%;

– Medir a temperatura dos funcionários antes de entrarem no ambiente de trabalho;

– Realizar rodízio de funcionários e flexibilizar horários para evitar aglomerações;

– Manter distanciamento de, no mínimo, 2 metros entre os postos de trabalho e no atendimento à clientes;

– Barreiras físicas (plástico transparente) entre os postos de trabalho e entre funcionários e clientes;

– Limpeza constante do meio ambiente de trabalho com álcool em gel.

Outra orientação que considero fundamental, é a necessidade de documentação de todas as medidas de prevenção tomadas pelo empregador para manter o meio ambiente de trabalho seguro. Dessa forma, caso o empregado alegue que adquiriu COVID19 no local de trabalho, o empregador terá essa documentação para rebater tal argumento e provar que adotou todos os cuidados para preservar a saúde de seus funcionários.

Ressalte-se que a contaminação pode ocorrer em casa; no deslocamento residência x trabalho e vice-versa; nos mais variados estabelecimentos comerciais; e no ambiente de trabalho.

Maiara – Se o empregado contrair COVID19 no trabalho, isso pode ser considerado doença do trabalho/acidente do trabalho e gerar estabilidade de um ano?

Helena – Todo empregado que sofre um acidente no trabalho, ou adquire uma doença relacionada ao trabalho, tem direito ao auxílio-doença pago pela Previdência e a uma estabilidade no emprego de um ano.

Com a COVID19, passou-se a discutir se, caso o empregado contraísse tal doença no trabalho, teria direito ao auxílio-doença acidentário e a estabilidade de um ano.

A MP 927 dizia que o COVID19 não tinha cunho ocupacional (não era doença do trabalho), ou seja, caso o empregado a adquirisse, não teria direito ao auxílio-doença acidentário e a estabilidade de um ano, salvo se comprovasse que contraiu a doença no local de trabalho.

Porém, com a perda de eficácia da MP 927, restou a dúvida sobre a caracterização, ou não, de doença do trabalho (e consequente estabilidade de um ano) do empregado que está trabalhando e adquire COVID19 (se o empregado está em home office, não se considera doença do trabalho).

Ainda não há lei dispondo a respeito do assunto, e a situação é muito recente para saber como os Tribunais irão se posicionar. Porém, o que se pode adiantar é que, caso o empregador consiga comprovar que tomou todas as medidas de prevenção, não restará caracterizado, a priori, doença do trabalho. A contrario sensu, caso o empregado comprove que adquiriu a doença no ambiente de trabalho, essa será considerada doença do trabalho e ele fará jus ao auxílio-doença e a estabilidade de um ano.

 

Maiara – Como ficam as medidas contratuais que foram estabelecidas no início da pandemia? Elas seguem vigorando?

Helena – A MP 927 estabeleceu uma série de medidas que afetaram as relações de trabalho, entre elas: possibilidade de antecipar férias e feriados; compensação de jornada, redução e suspensão do contrato de trabalho.

Porém, a MP 927 perdeu sua eficácia. Assim, tudo o que havia sido previsto na MP não mais pode ser aplicado, porém considera-se válido o que ficou estabelecido enquanto tal medida vigorou.

Porém, a MP 936, hoje convertida na Lei 14.020/20, manteve a possibilidade de redução e suspensão do contrato de trabalho até 31/12/2020. Logo, aqueles contratos que foram reduzidos ou suspensos permanecem valendo até o final desse ano.

Maiara – Se o empregador adotou alguma das medidas estabelecidas na MP 936, que permitia a redução ou suspensão da jornada de trabalho do contrato de trabalho durante a pandemia, como fica após o retorno?

Helena – Quando os empregados que tiveram seus contratos suspensos ou reduzidos retornarem aos postos de trabalho, esses terão todos os direitos e condições reestabelecidos como eram antes da pandemia. Assim, por exemplo, se o empregado tinha direito ao adicional de insalubridade antes da suspensão/redução do contrato, voltará a ter direito a tal adicional, quando seu contrato de trabalho retornar à normalidade.

A dúvida entre os empregadores surge quando se fala em 13º salário e férias.

Em relação ao 13º salário e jornada reduzida, o benefício será calculado com base na remuneração integral do empregado (aquela concedida antes da redução), sem influência das reduções de jornadas de trabalho (ainda que em dezembro o funcionário esteja recebendo salário menor em razão da jornada reduzida).  No caso dos contratos suspensos, o período em que o empregado não trabalhou, não será computado para o cálculo de 13º salário, logo seu benefício natalino será menor que o valor integral de seu salário.

Em relação às férias, a jornada reduzida não impacta no pagamento das férias com 1/3, pois tal parcelas serão calculadas considerando o mês de gozo das férias. Assim, basta o funcionário ter trabalhado 12 meses, ainda que em jornada reduzida, para fazer jus às férias de forma integral.

Já no que diz respeito às férias em contratos suspensos, a regra é diferente. Os meses em que o contrato ficou suspenso, não serão considerados para o computo das férias. Assim, o empregado terá direito às férias somente após trabalhar, efetivamente, 12 meses. Logo, se o contrato de trabalho ficou suspenso, o empregado, mesmo após 12 meses de contrato, não terá adquirido o direito de férias, pois o período suspenso não é considerado.

Importante lembrar que todos os empregados que tiverem seus contratos reduzidos ou suspensos, tem direito à estabilidade quando retornarem aos postos normais de trabalho. O período da estabilidade será igual ao tempo em que o funcionário ficou com o contrato suspenso ou reduzido. Caso o empregador queira demitir seu funcionário, terá que pagar uma indenização em razão do direito à estabilidade.

 

Maiara – O que fazer em casos de resistência do empregado quanto ao retorno? Seria considerado demissão por justa causa?

Helena – O empregado que teve o seu contrato de trabalho suspenso ou reduzido, não pode se recusar a retornar ao trabalho presencial. A única exigência é que a determinação de retorno ao trabalho seja comunicada ao trabalhador no prazo de dois dias.

Caso o empregado se recuse a voltar ao posto de trabalho, o empregador poderá demiti-lo, salvo se o empregado comprovar que faz parte do grupo de risco ou que há risco à sua vida, comprovado mediante atestado médico.

Em relação ao tipo de demissão, há discussão se essa seria com ou sem justa causa. Os Tribunais ainda não têm uma posição concreta a respeito do assunto. Caso o empregado não seja do grupo de risco ou não justifique a sua impossibilidade de retorno ao trabalho, minha orientação é que primeiro a empresa aplique uma advertência; posteriormente, uma suspensão e, se mesmo assim o empregado não retornar ao trabalho, demitir por justa causa.

 

Espero que você tenha gostado do conteúdo. Aproveite para compartilhar com outras pessoas. Acompanhe a Dra. Helena Argenti nas redes sociais.

Instagram: @helenaargentiadv e @argentitavaresadv

Facebook: Argenti Tavares 

E-mail: helena.argenti@hotmail.com

Helena Espindola Argenti, bacharel pela Universidade Ritter dos Reis, advogada portadora da OAB/RS 82.906; pós-graduada em Direito Material e Processual do Trabalho pela FEMARGS (Fundação Escola de Magistratura do Rio Grande do Sul); mestranda na Universidade de Oslo/Noruega (Direito Internacional Público); sócia do escritório Argenti Tavares Adv.  Atual ramo de atuação: consultivo trabalhista e empresarial (mas atuamos também no litigioso caso necessário).

Compartilhe este post
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *